27/01/13

MAQUETE DO APOCALIPSE - trabalho de 2007

Esse trabalho "Maquete do Apocalipse" se transformou em uma performance apresentada na minha segunda individual " Matiz Vertical" na Galeria Vermelho em 2007

02/01/12

ORANGE LIZARD



O Monstro Laranja é personagem de uma História em Quadrinhos que pode ser lida neste link:
fatalidademisterio.blogspot.com/

Este vídeo registra o momento em que Murillo Sguillaro faz o Lagarto Laranja falar...

Desenho de TIAGO JUDAS na guitarra de MURILLO SGUILLARO.

10/04/11

PROFESSOR


Fotos da oficina de H.Q. do projeto Igual Diferente do educativo do MAM














Dou aula na Escola da Vila (unidade Butantã e Morumbi) e uma vez por semana dou aula também no MAM que fica no Parque do Ibirapuera. Na Escola da Vila sou professor de arte do 2º e 3º ano fundamental, crianças na faixa etária de 7 anos e no MAM participo do projeto Igual Diferente como educador da oficina de História em Quadrinhos. Por esse motivo minha freqüência neste blog se tornou um pouco mais rara, mas venho pegando o ritmo e pretendo estar mais presente.

JUNTANDO AS PISTAS

Foto: Tarsila Kato
















 Desenhar Histórias em Quadrinhos é trabalho de detetive. Estou em um projeto onde minha missão é desenhar 280 tiras. Dezenas de quebra-cabeças de três peças. As pistas se encaixam até que o mistério seja desvendado. Aviso aqui neste blog quando o livro será lançado.

23/11/10

entrevista com Tiago Judas por Marcio Harum

 





















Marcio Harum: A que você credita o surgimento da figura do ‘monstro´no seu trabalho?

Tiago Judas: O Monstro é só um dos três pontos dos quais preciso para construir um Triângulo; os outros dois são o Robô e a Estrela.
O Monstro é contraponto ao Robô, e vice-versa; a Estrela vem para unir, formando, assim, uma única forma, o Triângulo.
O mais importante é o Triângulo que surge como uma solução para minha busca.
Em uma das minhas HQs, OMEDODEEDU, a resposta vem da Linha do Horizonte que só o mar pode proporcionar. Neste caso, a resposta é uma Linha Reta, uma Linha que não divide e ensina que o Céu e o Mar são uma coisa só.
Durante um tempo trabalhei com a ideia do Mar ser o lugar onde todas as histórias vão desembocar, pois só lá podemos realmente nos limpar, nos renovar. Água, Sal e Mistério. Até então não via outra alternativa.
Quando desenhei a H.Q. O Direito de Subir, descobri a Estrela como outra possibilidade para seguir.
No Universo, lugar que não tem teto, chão nem parede, de repente surge brilhando um ponto de referência, um lugar onde mirar, um objetivo.
Entre o observador e a Estrela, uma Linha Reta.
A Estrela é também uma forma geométrica, um pentágono que une os cinco sentidos, os cinco elementos. Venho percebendo a Estrela com uma grande força de união.
Então, temos de um lado o Monstro, o Cérebro Reptiliano, o instinto de sobrevivência e, do outro, o Robô, o Cérebro Intelectual que se expressa através de pensamentos, tudo para gerar um conflito.
Mas a Estrela vem transformar dualidade em unidade. O Triângulo é uma seta que indica o que está no Alto. Cérebro e Coração trabalhando juntos nos dá o Direito de Subir.
Pai, filho e Espírito Santo. Uma única Luz.
A guerra entre o Monstro e o Robô é óbvia no nosso dia-a-dia e comum tanto dentro da gente quanto nos filmes de ficção científica. Na HQ O Mistério Líquido e a Fatalidade Sólida, essa batalha não acontece, pois cada um encontra o seu Lugar.
Penso em todas as Linhas do Horizonte do mundo juntas, como uma única reta contínua, formando uma enorme base para um gigantesco Triângulo Equilátero.
Mesmo nos lugares infestados de prédios, que consomem qualquer possibilidade de se avistar um horizonte. Ainda temos na nossa memória um lindo Horizonte Azul para somar à base desse Triângulo. Para isso existe o equilíbrio entre o Céu e Mar, Monstro e Robô, Coração e Mente, Alma e Corpo...

MH: Comente sobre as suas experimentações com as trilhas de histórias em quadrinhos.

TJ: As histórias são muito vivas na minha cabeça, elas se espalham e ocupam o meu almoço, a televisão, a minha hora de passear no parque... Gosto de vê-la respondendo perguntas, fazendo-me perguntas, transformando-me em Astronauta enquanto estou no metrô.
A História, depois de desenhada, continua viva, continua contando outras histórias das quais eu nem me dei conta enquanto escrevia. Então, ver uma música soando das sequências desenhadas, ver desenho gerando som, é continuar vasculhando esse universo.
Participei, até agora, de todas as trilhas que compus para as minhas HQs. Eu não sei tocar nenhum instrumento musical, mas trabalhei com ótimos músicos de cabeça aberta para o diálogo. O prazer é inenarrável. Vamos lendo a história juntos, compartilhando as sensações que ela nos trás, e um olhar do personagem, o contraste de claro e escuro são motes para os sons; eles se transformam em um som eletrônico de um teclado velho e empoeirado ou em um estardalhaço com pratos de uma bateria. Já usamos violoncelo, voz e até copo de água com canudo para fazer som de bolhas.
O som encarna na história. Ele funciona como a alma no nosso corpo. Dá toda uma personalidade para a narrativa, renovando, assim, meu trabalho. Transformando algo solitário de desenhista sentado na prancheta em uma apresentação com banda no palco.

MH: Que lugar a banda ZOX teve na sua produção artística ainda como estudante de artes?

TJ: Nessa época eu estava encantado com uma fita cassete que descobri com um Ufólogo amigo meu. Nela tinha gravada a mensagem do Comandante Ashtar Sheram. Essa mensagem foi captada acidentalmente por um rapaz que estava gravando a música Stairway to Heaven que tocava na rádio, quando, de repente, a fita acelerou e rodou até o final (CLÁK! )...
Quando ele voltou a fita e escutou a gravação, estava lá a mensagem do Comandante Ashtar!
- Saudações habitantes do Planeta Shan ( a terra )
Eu passei a escutar exaustivamente essa fita e reunia amigos para escutar em casa. Passamos a desenvolver muitas coisas juntos partindo desses encontros.
Um dia, desenhando na mesma mesa com meu amigo, o Fellipe Gonzalez, cada um desenvolvendo uma HQ, perguntei para ele, Você sabe qual é o barulho que faz quando passamos de uma dimensão para outra? Ele me respondeu prontamente como se fosse óbvio “ZOX!”. Desenhei essa onomatopéia na minha história, que virou nome de todas as experimentações que fizemos na época. A banda ZOX foi uma delas.
Costumávamos fazer coreografias de “danças ZOX” para apresentar de surpresa nos corredores dos supermercados, desenvolvíamos “roupas ZOX” especiais para “apresentações ZOX”, fazíamos “cartazes ZOX” para colar sobre os outdoors nas ruas.
Também nos reuníamos para estudar astrologia, Nostradamus, Drummond e para colocar sabão em pó com água no chão de azulejo e ficar escorregando...
Nesse período, também fizemos muitos vídeos, um deles é justamente o Documentário ZOX – 1999, onde o “Tratado ZOX” é apresentado por um narrador, enquanto imagens de todos esses momentos vão ilustrando as ideias do texto.
Os shows da “banda ZOX” eram o lugar onde tudo isso culminava; para mim o mais legal era escrever as letras das canções. Eram poemas bem plásticos, inicialmente inspirados na poesia concreta e na poesia de Lewis Carrol. Escrevíamos sempre em grupo.
A música era feita instintivamente, ninguém era muito músico. A gente ia apertando as cordas até chegar ao som que queríamos. Era quase uma escultura com baixo, guitarra e bateria.
Teve um dos componentes, o Sérgio Bonilha, que tocava um CD player; ele ficava com alguns CDs e ia disparando trechos durante a música, como um sampler bem tosco e acidental.
Outra coisa boa de ter banda era inventar ações para o show, uma vez tocamos com óculos, que eram, na verdade, uns recipientes plásticos que prendíamos na cara com elástico; enchíamos de água e colocávamos um peixinho dourado dentro de cada máscara. Ficávamos tocando com um peixinho nadando bem na frente dos nossos olhos. Para abrir esse show escolhemos um trecho da famosa música cantada pelo Fagner, Borbulhas de Amor, que é versão de uma letra de Juan Luiz Guerra feita pelo Ferreira Gullar.
A banda foi meu grupo de estudo na época, mas não tínhamos orientação, trabalhávamos totalmente por impulso; teve momentos em que as coisas ficavam bem confusas. Muitos componentes desistiram, perdiam-se, sumiam.
Teve quem viu até fantasmas no meio de nós enquanto ensaiávamos.
Hoje eu posso dizer que a banda serviu para eu trabalhar com meu instinto, conhecer o meu Monstro, mas faltou o Robô e a Estrela, principalmente a Estrela. No meio do processo esquecemos a nossa origem, o Ashtar, comandante da Frota Estelar.
Na época passei a usar botas feitas de chumbo e quase fui engolido pelo chão.

ACOMPANHAMENTO CRÍTICO Marcio Harum

 

GWAR!Godzilla

O enfrentamento do mundo 3D por Tiago Judas na Temporada de Projetos 2010 é de fazer suspender a respiração dos incautos. Seu trabalho, que nos é apresentado aqui, evidencia, sobretudo, uma memória visual privilegiadamente desorganizada, com marcações rítmicas de uma forte e viva intuição.

A narrativa ficcional de O mistério líquido e a fatalidade sólida retrata a figura do artista como um personagem de si próprio. Valendo-se de recursos das histórias em quadrinhos, o entendimento desta obra surge a partir dos balões de texto que ultrapassam a velocidade da luz lançada no skyline volumétrico dos prédios em miniatura da cidade instalada no Paço das Artes (um estudo para maquete). A barreira do som poderia ser facilmente quebrada se pudesse haver, talvez, a composição de uma trilha musical, um experimento colaborativo também para esta peça, como já ocorreu em outras de Judas.

A arte posta sob o pensamento deste artista-personagem é compartilhada ao longo da leitura de seus quadrinhos, o que sugere tal enraizamento em uma nova personalidade e a renovação de sua produção em processo.

O mistério líquido e a fatalidade sólida propõe uma iconoclasta expedição de reconhecimento pela geometria urbana. Enquanto prédios novos vão sendo derrubados, símbolo de um passado que tem a cidade como sujeito, desenha-se na exposição o percurso de uma caminhada interior de reconstrução, movida a passos de chumbo acerca do protagonista instinto metropolitano de sobrevivência, gerador de lutas travadas no cerne do anonimato existencial – algo como uma violenta reação disparada através das cores geométricas, ao avistar por um triz o abismo de ser engolido pelo asfalto absoluto.
É o duo-uno o que mais importa, o que vai além do significado que é atribuído apenas a uma série de desenhos, mas que, contudo, mostra o embate da razão e da emoção que atravessa um artista diante de sua história em quadrinhos recém-saída da prancheta direto para as paredes de uma exposição.

GRICH, GRAUH: o desafio do Monstro. Cada qual com o seu.

Marcio Harum
Ilha de Itaparica, BA
set 2010

07/10/10

"Direito de Subir" na gráfica

























Nas fotos: Mariana Lanari e a equipe da gráfica.

"Direito de Subir" em formato poster será lançado por uma parceria
entre a editora brasileira LANARI e a espanhola KITSCHIC.

DEPOIS APERTE A FLECHA (página anterior) PARA RETORNAR AO BLOG:
http://kitschic.net/index.php?/proceso/derecho-a-subir/

30/09/10

MONTAGEM - Cor Captura



















Cor Captura integra a exposição Por aqui, FORMAS tornaram-se ATITUDES 
Com os artistas  Albano Afonso, Alexandre Sequeira, Caetano Dias, Carmela Gross, Dias&Riedweg, Felipe Cama, Helio Oiticica, Laura Lima, Lygia Clark, Lygia Pape, Marcelo do Campo, Nelson Leirner, Nino Cais, Paulo Nazareth, Pedro Victor Brandão, Proscila dos Anjos, Regina Silveira, Rochelle Costi, Sergio Romagnolo, Tiago Judas, Theo Craveiro.
Curadoria Josué Mattos. ABERTURA 30/09/2010 às 19hs no Sesc Vila Mariana

20/09/10

Por aqui, formas tornaram-se atitudes - 30/9

abertura: 30 de setembro às 19h - visitação até 30 de novembro - Sesc Vila Mariana                                              

À SOMBRA DO FUTURO 16/09 a 23/10






















 
artistas: Iran do Espírito Santo, Carlos Zílio, Jean Scheurer, Stefan Brüggemann, Marcius Galan, Daré, Theo Craveiro, Cadu, Andre Komatsu, Regina Parra, Felipe Bittencourt, Traplev [Roberto Moreira Junior], Vitor Cesar, Luciana Ohira & Sérgio Bonilha, Bruno Faria, Beto Shwafaty, Mónica Giraldo, Regina Silveira, Tiago Alem Santinho, Tiago Judas, JoãoPaulo Leite, Clara Ianni, Guilherme Peters.
curadoria: Deyson Gilbert, Luiza Proença e Roberto Winter 
http://asombradofuturo.org